quarta-feira, 25 de Maio de 2011

Maturidade

A idade adulta é ideal para se observar e analisar dois temas evolutivos relacionados entre si, o curso da existência humana e a maturidade dessa mesma existência contemplada na sua integridade.
Mesmo que a idade adulta seja, de certo modo, a regra evolutiva de uma espécie (também da humana), na psicologia não há a rigor algo como um protótipo ou modelo normativo de desenvolvimento. As vidas e os comportamentos de artistas, cientistas, líderes políticos, filósofos ou escritores são assim pesquisadas e descritas; mas também as de pessoas não tão relevantes e que, de toda forma, atingiram uma vida proveitosa, invejável sob muitos ou alguns pontos de vista.
A psicologia do desenvolvimento costumou assinalar o itinerário desejável, quando não “normativo” ou ideal, do devir adulto. A partir dessa orientação, Rogers (1961) considera que a personalidade formada consiste não num estado, mas sim num processo, o de chegar a ser o que realmente se é ou o que é igual.
Como traço da plenitude humana, da personalidade sã e madura na idade adulta, pode-se assinalar a capacidade de comunicação, de amor, de gozo, de trabalho; a disposição activa e criativa; a elaboração de um sentimento da própria identidade, como conquistas de certa “sabedoria de vida”.
Na idade adulta tardia, em contrapartida, quando a maior parte desse tempo fica para trás, já no passado, tal sentimento e tal consciência são acompanhados principalmente de um traço retrospectivo de memória, que agarra a vida inteira e tenta dar-lhe sentido.
Conforme a idade avança, vai se tornando predominante a relação com o tempo pretérito, com a memória e o olhar de amnésia aceitadora da vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário